Caso Marielle Franco: Investigações são encerradas após prisão de mandantes do crime

A Polícia Federal deu como encerrada a investigação sobre o assassinato da ex-vereadora e prendeu o deputado federal Domingos Brazão (União Brasil), Chiquinho Brazão, conselheiro do TCE no Rio e Rivaldo Barbosa (ex-chefe da Polícia Civil do Rio)
Foto: Márcia Foletto/VEJA – Reprodução

A Polícia Federal encerrou as investigações sobre o Caso Marielle Franco neste último domingo (24), aonde a ex-vereadora do Rio foi assassinada em 14 de março de 2018. Em relatório entregue a Justiça, a investigação identificou os mandantes, executores, intermédios e as motivações do crime.

Neste domingo (24), a Polícia Federal (PF) realizou mandados de prisão contra o deputado federal Domingos Brazão (União-RJ), seu irmão, que é conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio (TCE), Chiquinho Brazão, e o ex-chefe da Polícia Civil do Rio, Rivaldo Barbosa, como deflagração da Operação Murder Inc.

Quem mandou matar Marielle?

De acordo com as investigações, o assassinato da ex-vereadora foi orquestrado pelos irmãos Brazão, Domingos e Chiquinho. Na época do crime, Chiquinho era vereador, junto de Marielle.

O delegado Rivaldo Barbosa, atualmente preso, tinha um acordo com os irmãos Brazão para evitar que eles fossem responsabilizados. O ex-titular da Delegacia de Homicídios, Giniton Lages, teve sua conduta investigada pela PF, que também foi alvo de busca e apreensão.

Quem executou o crime?

O assassinato de Marielle Franco foi cometido pelo ex-policial militar, Ronnie Lessa, que foi preso em 2019, por sua participação nos assassinatos de Marielle e do motorista Anderson Gomes. Lessa havia sido expulso da PM e foi condenado em 2021, a quatro anos e meio de prisão pela ocultação das armas utilizadas no crime. Ronnie realizou uma delação aonde relatou e apontou os irmãos Brazão como mandantes do assassinato.

O ex-sargento da PM, Élcio de Queiroz, dirigia o veículo em que Lessa estava no momento do crime, que foi preso, também em 2019, realizando uma delação premiada. O ex-sargento do Corpo de Bombeiros, Maxwell Simões Corrêa, conhecido como Suel, é outro envolvido no caso e é acusado de fornecer um carro para a quadrilha, esconder as armas após o crime e ajudar no descarte das mesmas.

Qual a motivação do crime?

O autor dos disparos, Ronnie, revelou em sua delação, que no segundo trimestre de 2017, Chiquinho Brazão demonstrava reações descontroladas com a atuação de Marielle para apertar a votação do projeto de Lei à Câmara Nº 174/2016.

Neste projeto, o mandante buscava a regularização de um condomínio inteiro na região de Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio, que não respeitava o critério de área de interesse social. O objetivo era obter o título da propriedade para especulação imobiliária.

As informações foram retiradas do Portal Último Segundo, do IG Mail.

Compartilhe
Comente

Mais do Em PG é Assim

Confira a agenda do fim de semana em Ponta Grossa de 18 a 21 de abril:
Não sabe o que fazer no final de semana? Chegou a agenda, repleta de bons rolês pra você aproveitar.Vem conferir uma programação.
Ônibus da Vacina – Confira os locais de Atendimento, 12/04
Torta de sardinha – Receita fácil
Aprenda a fazer uma torta de sardinha de maneira rápida e saborosa.

Categorias

Pontagrossauros 😂

Ria com os melhores memes de Ponta Grossa e região.

Dê uma volta ao passado com fotos de lugares marcantes em PG.

Confira a agenda de eventos de Ponta Grossa.